Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

iPhil

iPhil

CES 2015 - Balanço

11.01.15
CES 2015 - Balanço

 

Foi um final de semana, absolutamente épico, que me impediu de acompanhar os dias 2 e 3 da CES 2015. NA medida do possível aqui fica o balanço da edição deste ano, que deixa mais questões do que respostas.

 

Televisores 4K & Beyond

Havia imensa expectativa em torno do que podia ser apresentado, quer em termos de hardware, ecrãs e conteúdos. Por um lado, de facto houve novidades interessantes. Por outro, a abordagem foi muito conservadora.

 

Samsung SUHD TV

  

Quantum Dots

 

 

As marcas aproveitaram para apresentar alguns modelos que incorporam tecnologia que pretende trazer com a melhor qualidade possível os actuais conteúdos em HD para o universo 4K. Foi o caso da tecnologia "quantum dot" da Samsung.

 

No caso dos interfaces, destaque para a força presença do Google e da plataforma Android TV, que marcará nas principais marcas de televisores. A primeira a fazê-lo em grande foi a Sony.

 

Sony 4K | Android TV

 

 Ou seja, havia uma hipótese, que fossem apresentados alguns protótipos 8K, mas foi o 4K que esteve em grande, ainda com muitas dúvidas, uma vez que faltam conteúdos em 4K e os mesmos são difíceis de distribuir, considerando as estruturas actuais e os tarifários praticados pelos operadores de internet fixa e móvel. Foram anunciadas algumas parcerias para a distribuição de conteúdos em 4K. Veremos na prática no que vai resultado.

 

Para o movimento CordCutters, o Sling TV foi uma simpática novidade. Mas é preciso não esquecer que o seu modelo de negócio baseia-se num modelo desactualizado, isto é, através desta plataforma, é possível ter um serviço de televisão via Internet. A questão é que a forma de consumo mudou e não basta passar a distribuição do cabo ou da fibra para a web. A tendência será ter acesso a um conjunto de contéudos... filmes, séries ou eventos específicos.

 

Sling TV

 

Automóveis e a tecnologia

A CES 2015, foi marcada, sem dúvida, pelas novidades apresentadas pela indústria automóvel, em que a BMW demonstrou um sistema anti-colisão, com obstáculos, peões ou outros veículos. A BMW foi mais longe e apresentou uma solução compatível com alguns smartwatches que permite que o veículo de forma autónoma consiga encontrar um lugar de estacionamento.

 

BMW i3 - Sistema anti-colisão

 

 A Audi foi a demonstração com maior destaque, com a apresentação do sistema "Audi Piloted Driving". Até à realização da CES, o ponto alto desta tecnologia tinha sido demonstrada em Hockenheim, quando a Audi colocou em ritmo de corrida um dos modelos A7 disponíveis com esta nova tecnologia, que dispensa totalmente o condutor. Para a CES, o teste passava por transportar jornalistas de Silicon Valley e Las Vegas. Impressionante. Sem dúvida.

 

Audi Piloted Driving

 

 Mas a indústria automóvel veio para ficar. As principais keynotes foram das responsabilidade das principais marcas de automóveis, uma semana antes do seu próprio evento em Detroit. O que comprova o peso que a CES passou a ter na estratégia destas empresas.

 

IoT - Internet of Things

Obviamente, seria um tema obrigatório. Mas pela cobertura que foi dada pela imprensa, porque efectivamente estamos longe, muito longe do cenário ideal. O que foi para mim, uma desilusão, especialmente após o lançamento das plataformas de desenvolvimento da Apple com o Home Kit e o Android Home.

 

Há projectos interessantes, como o pseudo-ecossistema da Samsung ou o WeMo da Belkin. Mas, nada de disruptivo foi apresentado na CES.

 

Internet of Things

 

 

Game of Drones

De forma surpreendente, os drones marcaram uma forte presença, especialmente com a DJI e o seu Inspire 1.

 

DJI Inspire 1

 

 Mas foram apresentados drones para todos os gostos, com destaque para os drones apresentados na keynote da Intel, que utilizam a tecnologia RealSense, uma plataforma que estará disponível, praticamente em todos os equipamentos e cenários onde a tecnologia poderá ter um papel ou uma função. Podemos estar a falar de um drone que se torna autónomo e "lê" o ambiente que o rodeia, até ao cego que utiliza um colete que o ajuda a evitar obstáculos.

 

Pessoalmente, acho que a utilização dos drones deverá ser regulamentada e fiscalizada. Felizmente, ainda não houve uma massificação destes equipamentos. Eventualmente, essa regulamentação só será feita, depois de um acontecimento grave, envolvendo drones.

 

Ainda há PCs...

Sim, sou um feliz utilizador Mac desde 2007. Não pretendo voltar. Mas não posso deixar de estar atento às novidades (e espero bastante do novo Windows 10). E há pelo menos 3 novidades apresentadas na CES, que eu não posso deixar de destacar.

 

Dell XPS 13

Fiquei bastante impressionado com o novo Dell XPS 13. É lindíssimo. É tudo ultra naquela máquina. O design. O ecrã. Se tivesse que comprar um portátil, faria tudo para conseguir comprar este XPS 13. Nos EUA, tem como preço inicial $799.

 

Dell XPS 13

 

Lenovo ThinkPad X1 Carbon

A estrela da CES foi o Lenovo Yoga, mas aquele que me deixou igualmente babado foi o Lenovo ThinkPad X1 Carbon. Desde sempre que oiço falar da robustez destas máquinas e se há máquina que mostra isso é este modelo do Lenovo. Outro facto curioso foi o site criado pela Lenovo, apenas com produtos que foram apresentados na CES 2015.

 

Lenovo ThinkPad X1 Carbon

  

Intel Stick

As boxes Android são uma realidade há muito tempo. A CES trouxe-nos os televisores com Android TV e hardware compatível. Depois do Chromecast, do Roku ou do Fire Stick da Amazon, agora é possível transformar o vosso televisor num computador Windows 8.1, com o Intel Stick.

 

Intel Stick

Wearables e smartwatches

Outra desilusão... wearables e smartwatches. Aparentemente o mercado está em suspenso para ver o que acontece com o Apple Watch, que poderá ser lançado em Março. Mesmo assim, houve apresentações bem interessantes, que merecem destaque:

 

Sony SmartWatch 3

Sony SmartWatch 3

 

 

LG webOS smartwatch

LG webOS smartwatch

 

Alcatel One Touch Watch

Alcatel One Touch Watch

 

Withings Activité Pop

Withings Activité Pop

  

E o pior?

Essa é fácil... Selfies e Belfies Sticks... porquê? PORQUÊ?

 

Belfie Stick

 

 

E havia muito mais, mas muito mais para referir... por isso, deixo-vos o desafio para revelarem as vossas escolhas ou passaram pelas escolhas do The Verge ou 257 Gadgets em 3 minutos.

 

 

CES 2015 - Dia 0

07.01.15
CES 2015 - Dia 0

 

Automóveis, automóveis, automóveis e mais automóveis. Parece que o cruzamento entre tecnologia e a indústria automóvel veio para ficar. Mas não só... há mais cruzamentos... alguns inesperados, outros nem tanto!

 

No momento em que escrevo este post, a CES vai no primeiro dia oficial e decorre a keynote oficial de arranque do evento, que actualmente é da responsabilidade da Intel. Mas muito já aconteceu, no chamado "Press Day" e será complicado resumir tudo num único post. Vou tentar fazê-lo.

 

4K, 4K, 4K

No último post, apontei que podíamos ter algumas novidades nas resoluções apresentadas pelos fabricantes de televisores. Contudo, parece que houve uma clara aposta em mais e melhor 4K (com o maior ou mais fino ecrã e a tecnologia Quantum), apostando antes em conteúdos, aplicações e mais importante do que isso, uma clara aposta na optimização do interface e menus. É aqui que encontramos o primeiro cruzamento... com tablets. Aparentemente, a experiência "second screen" com tablets, demonstrou aos fabricantes que o caminho a seguir, deveria ser o da implementação de interfaces baseados em tablets. A Sony optou por incorporar hardware optimizado para receber o Android TV da Google (deixando por isso cair o projecto Google TV). A Samsung optou por integrar o seu antigo sistema operativo Tizen e integrá-lo nos televisores. Neste caso, cai o conceito "SmartTV".

 

Samsung 4K TV

Sony 4K TV

 

 

 

Em jeito de "spoiler", diz-se que a indústria chinesa vai responder em força às concorrentes coreanas, como são os casos da TCL e da Hisense (nomes para começar a reter).

 

Fazendo um curto enquadramento com o cenário em Portugal, é curioso ver o aparente desinteresse na adoptação do HD, quando o 4K já está aí, em grande força, porque ao contrário do HD, tudo leva em crer que os fabricantes, a indústria cinematográfica, os produtores de conteúdos, os distribuidores de conteúdos e especialmente os utilizadores e consumidores estão a adoptar muito rapidamente o 4K. O que é um contraditório, quando pensamos nas necessidades em termos de largura de banda e limites de tráfego e a forma conservadora como os operadores de Internet olham para esta tecnologia. Portugal, parece alheado disto tudo.

 

Internet of things e wearables

Este "report" é baseado no que foi possível ver e ler no dia 0 e aparentamente estas duas categorias não surgiram com a força que era esperada. A Alcatel e a Sony apresentaram os seus novos smartwatches, mas a principal novidade ou curiosidade tem a ver com o maior ponto fraco destes equipamentos: autonomia. Tudo indica que estes dois novos modelos apresentam uma autonomia de 2 dias. O melhor apresentado até hoje. Considerando que a Apple se prepara para lançar (em Março) o muito aguardado Apple Watch, ficará a curiosidade em saber se a Apple vai a tempo de conseguir garantir, pelo menos, 2 dias de autonomia. Ou até mais do que isso.

 

sony-watch

 

alcatel-one-touch

 

 

E "Internet of Things"? Eu diria mais "Internet of All Things". Parece que a Samsung tem uma ideia muito clara do futuro e que o futuro é o presente... E começa com a sigla "IoT"!

 

 

 

Eu vejo este vídeo e limito-me a ver alguns conceitos engraçados... todos eles perfeitamente reais e acessíveis a todos nós. Com um pequeno detalhe... o ecossistema. Com a ausência de uma verdadeira standardização entre plataformas, equipamentos e sistemas operativos, ficará complicado alinhar de forma harmoniosa, o nosso carro, com o nosso smartphone, com o nosso smartwatch e que por sua vez, terão que ser compatíveis com os equipamentos de automatização da nossa casa e todos os equipamentos que fazem parte desse universo, desde o televisor até ao frigorífico ou máquina de lavar roupa.

 

 Apesar da existência de alguns SDKs de desenvolvimento para developers, parece que a standardização está ainda distante.

 

Automóveis, Automóveis, Automóveis

Mercedes, Audi, Wolkswagen e Hyundai são algumas marcas de automóveis que marcam presença oficial na CES 2015, confirmando de uma vez por todas, que a indústria automóvel veio para ficar.

 

Depois de uma experiência de cegueira, a indústria automóvel percebeu finalmente que a tecnologia teria que fazer parte do futuro da indústria automóvel. E a vários níveis. A um nível mais básico, incorporando o nosso smartphone e o respectivo ecossistema no dashboard e sistemas do carro. Estou naturalmente a referir os sistemas Android Auto e Apple CarPlay. Quando foram anunciados, estava com algum receio que as marcas acabassem por escolher uma plataforma em detrimento de outra. Felizmente parece isso não vai acontecer a Parrot parece indicar o caminho (especialmente para os automóveis actuais ou mais antigos), isto é, os sistemas incorporados, serão em teoria, compatíveis as duas plataformas.

 

 

 

As marcas estão no entanto, a recorrer à tecnologia também na segurança e a níveis nunca vistos. No ano passado já tínhamos assistido ao estacionamento automático e autónomo, sem condutor, da Audi. Este ano, a BMW apresentou um sistema semelhante e ainda lhe acrescentou as funcionalidades que permitem que o veículo possa colidir com qualquer objecto, seja uma parede, um muro, outro veículo ou um peão.

 

 

 

Mas o que impressiona verdadeiramente são os sistemas da Audi, instalados no Audi A7 e testados nos protótipos RS7, sendo que, parte da tecnologia é da Nvidia, que fez questão de incluir a Audi na sua própria apresentação. Nessa mesma apresentação, o representante da Audi fez questão de resumir o que tem sido desenvolvido, na parceria Audi/Nvidia e que o expoente máximo foi apresentado na última corrida do DTM em Hockenheim, com a demonstração do Audi RS7 em pista, sem condutor em ritmo de corrida.

 

 

 

Para a CES, a Audi decidiu testar a longa distância, transportando jornalistas durante 2 dias entre Silicon Valley e Las Vegas para a CES. O teste em Hockenheim, em ritmo de corrida correu de forma espectacular. Estou curioso por ver o resultado desta primeira viagem longa dos Audi A7 sem condutor.

 

Mercedes

 

 

A Mercedes preferiu apostar num conceito, onde o automóvel é um espaço partilhado de trabalho ou lazer, em que o condutor é dispensável, apesar da existência do volante e que é inteligente o suficiente para interargir com o espaço que o rodeia, através de referências visuais como os LEDs frontais e traseiros.

 

 

 

Resta saber o que aconteceu aos automóveis do Google e qual é o ponto de situação do projecto.

 

Nvidia

 

 

Mas há mais... as marcas estão a desenvolver interfaces baseados em gestos, como o Kinect (é curioso, já não termos necessidade de comparar com o "Minority Report"). Pessoalmente, não sei se me convence, por causa da aprendizagem de que necessidades, quando já estamos habituais aos interfaces multitouch do iOS e Android, quando estes até estarão disponíveis via CarPlay ou Android Auto.

 

BMW Parking

 

 

Algo me parece evidente... tal como nos televisores, também nos automóveis há um cruzamento com os tablets e os enormes ecrãs multitouch no dashboard central dos automóveis. Outra tendência foi a interacção entre os automóveis com os smartwatches, evocando uma certa e determinada memória dos anos 80...

 

 

 

A BMW apostou numa parceria com a Samsung com tablets e smartwatches e a Hyundai apostou numa aplicação para Android Wear, em que é possível controlar algumas das funções básicas do automóvel.

 

Então e motas??

Sim, sendo eu agora uma espécie de motard... (sim, não devo passar da Scooter), não esperava ver absolutamente nada, até ver isto...

 

Gogoro

 

 

 

 

Falo da SmartScooter (acabei de inventar a categoria) Gogoro, uma startup criada por alguns ex-colaboradores da HTC (análise da Forbes).

 

E não há mais nada??

Sinceramente, tirando os habituais "mais rápido, mais fino e com maior resolução", as estranhas keynotes e o louco da ASUS, não há muito mais a destacar deste dia 0 da CES e para ser sincero, pouco mais haverá para mostrar, embora o novo Dell XPS 13 me tivesse impressionado bastante... e é "só" um portátil.

 

 

O que esperar da CES 2015

05.01.15
O que esperar da CES 2015

 

Como é habitual, no início de cada ano, logo na primeira semana, começa em Las Vegas a CES ou International CES, como a organização deseja que seja identificada a maior exposição de tecnologia do mundo.

 

A edição de 2014, ficou marcada pela forte presença da indústria automóvel, dos wearables e das televisões 4K, confirmando o fim do 3D. Como será então a CES 2015?

 

Em jeito de "preview", posso dizer com alguma segurança, que a indústria automóvel veio para ficar na CES, seja através da nova tecnologia aplicada aos motores híbridos e recuperação de energia (como podemos ver nas "power units" V6 híbridos na F1), quer através dos veículos com novos sistemas de segurança e condução automática, sem recurso a condutor. No ano passado, várias marcas já fizeram apresentações bem interessantes. Este ano, um rumor (já não é exactamente um rumor) aponta que a Audi transportará jornalistas dos respectivos hóteis para os locais onde se realiza a CES, recorrendo ao Audi A7 sem condutor. Recordo que o percurso implica percorrer um trajecto real em plena Las Vegas, cidade onde se realiza o evento.

 

Estou igualmente curioso com os sistemas Apple Carplay e Google Android Auto que serão lançados, não só com os novos modelos, mas para os modelos mais antigos. Parece que uma das marcas há mais tempo no mercado com produtos que tentam levar o séc. XXI para os automóveis, a Parrot, vai anunciar uma muito aguardada actualização do seu sistema Asteroid, até aqui, apenas disponível com o sistema Android 2.3. Segundo o The Verge, o novo sistema será compatível com os sistemas Apple e Google, sendo a sua "killer feature".

 

Mas haverá muito mais para ver na CES 2015. Com certeza que teremos muitos relógios e wearables, uma vez que ainda nos encontramos no período em que a Apple já apresentou o Apple Watch, mas ainda não anunciou a sua data de lançamento e gama de preços para os diversos modelos. Com este cenário, todos os concorrentes, "em desespero", vão tentar apresentar os seus modelos ou os modelos actualizados das marcas que já marcavam presença no mercado, como o Pebble.

 

As últimas versões do iOS e Android apresentam SDKs de desenvolvimento para dispositivos de "home automation", mas a indústria pouco ou nada apresentou desde a apresentação das SDKs. Será na CES 2015 que veremos toda uma gama e variedade de produtos dedicados a essa área de negócio?

 

4K? 8K? Standard para o 4K? Julgo que no universo dos televisores veremos novos televisores e novas câmaras 8K. Mas convém fechar de uma vez por todas, a questão do formato standard para o 4K. De qualquer forma, a ausência de um standard e a difícil forma de distribuição (por causa da largura de banda e tamanho dos ficheiros), podem oferecer aos modelos Full HD/1080p, alguma margem de desenvolvimento, com um custo cada vez mais baixo, enquanto a indústria terá que tomar decisões em relação aos formatos seguintes.

 

As primeiras apresentações e keynotes, começam hoje mesmo, dia 5 de Janeiro, por volta da 17 horas, hora portuguesa. Tanto quanto possível, espero fazer alguns posts, que consigam resumir o que vai acontecer nos próximos dias em Las Vegas.

 

Quem quiser, pode ir acompanhando tudo o que vai acontecer em Las Vegas, através do The Verge - theverge.com/ces-2015.

Lisbon Mini Maker Faire 2014

28.09.14
Lisbon Mini Maker Faire 2014

 

Nos passados dias 19, 20 e 21 de Setembro, realizou-se em Lisboa, a primeira Maker Faire em Portugal, uma parceria entre o Sapo, o Pavilhão do Conhecimento e a Câmara Municipal de Lisboa.


Como estive de férias, não tive oportunidade de marcar presença na primeira Maker Faire de Lisboa. Fui estando atento ao que ia sendo publicado no Twitter, mas fiquei com a clara sensação que estava perante uma espécie de Codebits, aberto ao público, onde o pessoal que normalmente passa 48 horas a desenvolver projectos, teve agora oportunidade de os apresentar ao público em geral e com um sucesso esmagador.

 

Foram cerca de 100 projetos nacionais ligados ao movimento dos Makers, sendo que o evento recebeu quase 10000 visitantes em apenas pouco mais de dois dias. As previsões da organização apontam para uma Mini Maker Faire com 70 Makers (e não projectos) e cerca de 3000 visitantes.

 

Lisbon Mini Maker Faire 2014

 

Como os números o comprovam... as estimativas estavam completamente erradas e a Maker Faire foi um sucesso. Mas melhor do que palavras, temos o vídeo que mostra bem como foram os dias passados no Pavilhão do Conhecimento.

 

 

Por não ter estado presente, não consegui acompanhar todos os projectos presentes... mas há 3 projectos que não posso deixar de destacar...

 

The RiftCycles - O projecto já tinha estado presente no Codebits deste ano e com imenso sucesso, não só no evento, mas também na blogosfera internacional.

 

Projecto eINKwall - Mais um excelente projecto do Basílio Vieira, que nunca deixe de nos surpreender. Desta feita, com um display integrado numa parede, com uma forma elegante de apresentar dados como se não existisse tecnologia associada, como por magia.

 

Balua - Eu sou um fã de tudo o que esteja relacionado com o Espaço. Acompanhei os voos do Spacebits e estou sempre atento e este tipo de voos, mais caseiros. E foi com surpresa que vi a presença de mais um projecto deste género e com lançamento (com sucesso) marcado para a Lisbon Maker Faire.

 

 

Não sei como será em 2015, mas espero estar presente, nem que seja como simples espectador... numa Maker Faire que se calhar já não será assim tão Mini, como esta já não foi.

 

Lisbon Mini Maker Faire 2014

 

 

Uma palavra ainda para a foto de capa deste post, com um dos "tricopters" do Luís Correia! ;)

CES 2014 - 08/01

09.01.14
CES 2014 - 08/01


A CES termina apenas no dia 10, mas os principais anúncios e apresentações ocorrem até ao dia 8, dia que ficou marcado pela keynote da T-Mobile, ao anunciar mais um conjunto de medidas que se enquadram no movimento "Un-Carrier".

 

Un-Carrier e o futuro dos operadores móveis

A T-Mobile norte-americana continua a sua epopeia para criar um movimento disruptivo nos operadores móveis, especialmente no mercado norte-americano, colocando-se (aparentemente) ao lado dos consumidores e clientes, nomeadamente no que diz respeito aos contratos e períodos de fidelização. Na CES, a T-Mobile elevou a fasquia e agora, até 5 cartões por cliente, a T-Mobile pagará até $350 por cartão, para os novos clientes trocarem de operador e com vantagens na aquisição de novos equipamentos, caso o cliente não tenho um equipamento desbloqueado.

 

A realidade é que este movimento "Un-Carrier" está a começar a dar frutos, com a T-Mobile a apresentar o melhor trimestre fiscal dos últimos anos, sendo que, o seu CEO reafirmou de que se trata de uma estratégia a longo prazo, apesar a potencial aquisição da T-Mobile pela Sprint.

 

Na realidade, a AT&T já tinha avançado com um novo plano, com o objectivo de atingir a T-Mobile. A T-Mobile respondeu com um valor superior e uma clara aposta nos planos familiares.

 

Uma coisa é certa...se estas alterações não mudarem o mercado...então não sei o que pode mudar. Uma coisa é certa...os períodos de fidelização têm os dias contados e os operadores portugueses que tirem uma lição do que está acontecer nos EUA.

 

 

Por outro lado, a FCC vai investigar a AT&T pelo facto, do operador norte-americano estar a preparar-se para lançar um plano muito semelhante ao que foi já lançado em Portugal com o WTF e o Moche, com "tráfego ilimitado" para determinadas apps, como o Facebook Messenger ou WhatsApp. Como a FCC está convencida que este novo plano viola a "net neutrality". Engraçado como a ANACOM nada fez, o que revela bem a inutilidade dessa suposta entidade reguladora.

 

Realidade Virtual

O conceito regressou em força em 2013 com o Oculus Rift. Em 2014, foi apresentada uma versão melhorada, mas que ainda não é a versão final, para o consumidor comum. Todos dizem que a experiência é fantástica, mas fica por responder por razão levaria alguém a comprar um Oculus Rift. O mesmo se aplica ao Virtuix, que utiliza o Oculus Rift para a visão, mas o resto, é uma estrutura que se fixa à cintura e uns ténis que servem de sensores para a base que fica por baixo.

 

 

De facto, a realidade virtual mostrada e que é experienciada através destes dispositivos está muito distante daquele conceito que nos foi apresentado no início dos anos 2000. Mesmo assim, é bom verificar que há um esforço para melhorar estes produtos, apesar do desafio comercial que enfrentam. Basta verificar a reacção de quem experimenta

 

Relógios

No primeiro dia, falei de wearables e do Pebble Steel. Este smartwatches não me convencem, mas houve um modelo que mexeu comigo. Falo-vos do relógio Meta da MetaWatch, um smartwatch com um design retro ou vintage, como preferirem.

 

Posso dizer que sou um fanático por relógios, mas por causa do seu custo, o culto do relógio acaba por me passar ao lado...obviamente quando se junta tecnologia com relógios e um design vintage...praticamente nem olhei para as especificações. Fiquei convencido só com as fotos!

 

Meta | MetaWatch
 

Outras notas...

Naquele que começa a ser o rescaldo de uma CES sem um "WOW Moment", destaque para a keynote do Yahoo!, que mostra a Marissa Mayer em forma (em todo os sentidos), a mais recente CEO, que conseguiu colocar o Yahoo! novamente nas bocas do mundo. Na keynote da CES destaco a aplicação "News Digest", que utiliza um algorritmo que sumariza as notícias mais relevantes. Infelizmente, a aplicação está disponível apenas na App Store norte-americana.

 

 

Infelizmente, o evento ficará marcado por um "não-acontecimento" com a saída de palco do Michael Bay na keynote da Samsung, segundo o próprio, por causa do teleponto, ao falhar um ponto de leitura.

 

A WWE não deixou de aproveitar a situação e acabou por gozar com o Michael Bay durante a apresentação da WWE Network, o novo serviço de subscrição de vídeo da WWE. Todos os programas, Pay-per-views e algumas raridades estão totalmente disponíveis, em qualquer dispositivo, por $9.99 (+$9.99 só para os PPVs). O serviço estará disponível no dia 24 de Fevereiro, infelizmente, só para os EUA e mais alguns mercados, que não Portugal.

 

Mas voltando a Michael Bay...a apresentação estava quase no final, quando acontece isto a Perkins Miller, Vice-Presidente Executivo de Media Digital da WWE:

 

 

 

Goste-se ou não da WWE...o profissionalismo destes tipos é absolutamente ímpar.

 

Julgo que a "pseudo-cobertura" da CES 2014 fica por aqui. Como terão percebido, as fotos e vídeos são todos da responsabilidade do The Verge, que fez, mais uma vez, um trabalho fabuloso, para nos fazer chegar as novidades apresentadas em Las Vegas.

CES 2014 - 07/01

08.01.14
CES 2014 - 07/01


Chegados ao primeiro dia oficial da CES 2014, vamos conhecer algumas das novidades mais relevantes, não esquecendo o que ficou por destacar do dia 6.

 

Wearables (e não só) e a Intel

A apresentação da Intel ficou marcada pelo lançamento do Edison, um PC com o formato de um cartão SD, que corre Linux e tem conectividade Wifi e Bluetooth.

 

Obviamente que o primeiro pensamento, perante um produto destes, é a sua utilização em... Wearables, claro. É tão evidente, que a própria Intel fez uma demonstração com um Mimo Baby Monitor.

 

Mas eu vou um pouco mais longe...até pela própria evidência que a tecnologia nos mostra. É verdade que um Intel Edison não tem, neste momento, a capacidade de processamento de um smartphone de topo. Mas, indica um caminho muito claro, no sentido de termos equipamentos extremamente pequenos e com uma capacidade de processamento inacreditável. Pensando ainda nos smartphones ou tablets, julgo que poderá ajudar a resolver outro problema: Autonomia. Não só podemos ter processadores com consumo energéticos baixos, como o equipamento ganha espaço físico para receber mais bateria.

 

Intel Edison

 

Ainda no dia 6, a Sony apresentou as suas novidades. Para além da clara aposta no 4K (Handycam de $2000 e upgrades aos Televisores), a grande novidade foi o Sony Smartwear Core, um sensor que pode ser usado no punho ou no bolso e é mais um concorrente do Fuelband da Nike ou Fitbit. Para além do sensor propriamente dito, a Sony parece querer apostar fortemente nos acessórios para o mesmo sensor, que a Sony considera que vai muito mais além do que um dispositivo "fitness-tracking".

 

Sony Smartwear Core

 

Play

Também nos jogos tivemos algumas novidades...a Sony apresentou o serviço Playstation Now, o serviço de jogos na cloud para consolas, televisores e equipamentos móveis. A grande novidade será mesmo o acesso de jogos mais antigos na Playstation 4, algo que muitos acharam estranho no seu lançamento.

 

O serviço estará disponível, para além da PS4, na PS3 e PS Vita. Não foram anunciados preços, mas acredito que seja um serviço por subscrição. A versão beta será lançada no final do mês nos Estados Unidos e o serviço será oficialmente lançado apenas nos EUA. A Sony ainda informou que o lançamento na Europa em PAL é mais complexo.

 

Playstation Now

 

Mas na CES 2014 foi apresentado mais um upgrade de um dispositivo que marcou a edição de 2013: Oculus Rift, um protótipo de uma espécie de "óculos para o mundo virtual". Depois do impacto do ano passado, em 2014 foi apresentado o Crystal Cove, um novo protótipo que é uma clara evolução da primeira versão de desenvolvimento.

 


Link do Vídeo

 

Finalmente, uma palavra para a Anki Drive e os seus carrinhos de corrida, controlados através do iPhone. A sua primeira apresentação numa keynote da Apple não correu nada bem. Mas o projecto era demasiado cool para se deixarem afectar por um daqueles problemas que só ocorrem nas apresentações públicas. E assim foi. O produto foi mesmo lançado e agora estão em grande na CES 2014 com uma nova actualização.

 

Para quem não conhece, são carros tipo Matchbox equipados com um conjunto de sensores e Bluetooth LE e que podem ser controlados num equipamento iOS. Nas corridas, podes literalmente, eliminar e atirar os nossos adversários para fora de pista.

 


Link do Vídeo

 

Ainda não é o KITT, mas...

E quase sem querer, esta fusão de automóveis e tecnologia, está a levar-nos para uma certa e determinada realidade que já foi retratada numa mítica série dos anos 80.

 

Se por um lado, estamos cada vez mais perto de ter o Siri e o Google Now nos automóveis, por outro, os fabricantes estão a apostar fortemente em modelos que têm capacidade de dispensarem o condutor. A demonstração feita pela BMW na CES prova que o conceito já ultrapassa a ideia de levar o automóvel do ponto A ao ponto B e que é possível ter um automóvel, de forma autonóma, ter um comportamento agressivo e desportivo numa pista. Porém, fica por explicar, como funciona este sistema.

 

 

Mas as provas de competição também marcaram presença e foi aproveitada a presença em Las Vegas para apresentar a nova Formula E, uma nova competição de monolugares, só com carros eléctricos, cuja plataforma é desenvolvida pela Renault.

 

Formula E

 

Outras notas...

Um último destaque vai para a apresentação das guitarras Gibson. Não...não vou falar de guitarras eléctricas...mas quando a Gibson faz 120 anos e arranja uma réplica do DeLorean do Back to the Future para festejar essa data, só pode ser espectacular. Foram mais longe e também convocaram Doc Brown...desculpem, Christopher Lloyd para festejar a marca. Para coisa ser mais geek, ainda espetaram uns Google Glass na cara do homem!

 

Doc Brown

 

CES 2014 - 06/01

07.01.14
CES 2014 - 06/01


Aí estão as primeiras grandes novidades da CES, num dia marcado pela saída de palco do realizador Michael Bay, durante  a keynote da Samsung. Mas é curioso verificar as tendências da edição 2014 da CES.

 

Televisores 4K e o fim do 3D

Já a edição de 2013 tinha sido marcada pelas novidades dos novos modelos curvos e 4K e o início do fim do 3D. A edição 2014 marca o lançamento de novos modelos que não suportam de todo o 3D (parece que me ouviram) e que caminham de forma segura para a massificação do 4k. Contudo, é preciso lembrar que ainda são escassos os conteúdos neste formato. Também é preciso não esquecer, que as novas formas de distribuição de conteúdos, baseam-se na Internet e dependem e muito dos ISPs, uma vez que é necessário que suportem ficheiros de dimensões brutais, a uma velocidade considerável. Como sabemos, actualmente, os ISPs têm dificuldade em apresentar conteúdos a 1080p e com um bitrate elevado.

 

Outro problema, com as chamadas "SmartTVs" tem a ver com o sistema operativo que apresentam. A LG, após a compra do WebOS à HP (que tinha comprado o mesmo sistema operativo através da aquisição da Palm), tentou apresentar uma nova abordagem aos sistemas operativos para televisores. Tirando o look & feel e a usabilidade, sinceramente não vejo qualquer inovação no LG webOS. Eu faço parte do grupo que via imenso potencial no WebOS para smartphones. Não me parece que a LG tenha conseguido oferecer um rumo ao webOS.

 

 

Automóveis e tecnologia

Nem de propósito...há alguns dias atrás, descrevia a minha dificuldade em converter o meu sistema de som do Renault Megane II para algo mais recente e compatível com smartphones. No entanto, olho para estas novidades da CES e começo a ficar preocupado. Não só os fabricantes estão completamente perdidos com o caminho a seguir, como os actuais proprietários não serão considerados. Bem sei que é assim que a tecnologia avança, mas um automóvel não é um consumível de curta duração. De resto, o mesmo acontece com os televisores.

 

Por outro lado, existe a dúvida em relação às plataformas escolhidas. Como referi há dias, a Apple anunciou que ia apostar com o iOS7 no mercado automóvel, mas agora, também o Google anunciou que faria o mesmo com a plataforma Android. Questiono se fará sentido as marcas e fabricantes de automóveis escolherem uma única plataforma ou se fará sentido ser multi-plataforma e de acordo com as preferências do comprador.

 

De qualquer forma, fico agradado com a forte presença dos principais fabricantes de automóveis na CES e mesmo desorientados, estão a tentar fazer um esforço para trazer a indústria automóvel para o séc. XXI.

 

 

 

Wearables

Uma das expectativas desta edição da CES era a presença massiva de novos equipamentos, que se enquadram na nova categoria de produtos Wearables. Efectivamente, ainda não houve novidades relevantes neste campo. A Samsung fez uma pequena referência ao seu Galaxy Gear e a forma como o seu relógia poderá interargir com alguns dos equipamentos de casa, piscando o olho a outro conceito que ainda surge um pouco disperso: Home Automation.

 

O outro destaque vai para o Peeble Steel, a segunda geração do smartwatch nascido de um projecto financiado no Kickstarter e a versão agora apresentada, é apenas um upgrade da primeira versão.

 

 

Outras notas...

Para além dos habituais lançamentos e upgrades de televisões, portáteis, tablets e smartphones, destaque para o lançamento de uma linha de tablets Pro da Samsung, com relevância para o home screen Magazine UI, que oferece ao Android, um look & feel muito parecido com o Windows 8, baseado em tiles.

 

A outra nota, vem da Asus com a apresentação Tranformer Book Duet, o primeiro equipamento que é simultanemamente Android Laptop, Windows Laptop, Android Tablet e Windows Tablet, com uma opção rápida de mudança de sistema operativo. Não é propriamente uma novidade, mas não deixa de ser uma alternativa, que me parece interessante.

 

Finalmente, fechamos com o momento do dia...o momento em que Michael Bay, salta uma linha do teleponto, que não pára. Desorienta-se e abandona o palco, durante da keynote da Samsung. Já esperamos por um oceano de especulações e pelos memes... deixo à vossa consideração o que terá realmente acontecido...

 

 

PS: Por causa da diferença horária...ficam algumas novidades por apresentar...se justificar...não ficarão esquecidas...claro, como é o caso da Sony, da Intel ou da Valve.

CES 2014

05.01.14
CES 2014


Depois da loucura do Natal, chegamos ao momento em que o mundo tecnológico, se prepara para apresentar as suas novidades e o que vai marcar a tecnologia durante os próximos anos (ou não). Como é habitual nesta altura do ano, realiza-se mais uma edição da CES - Consumer Electronics Show em Las Vegas.

 

O evento começa na próxima terça-feira, mas durante o fim de semana começam já a surgir algumas notícias (embora estejam marcadas keynotes para o dia 6), como é o caso do regresso do WebOS, agora nas TVs LG. Depois dos rumores, parece que o stand da LG na CES confirma que o sistema estará mesmo em destaque.

 

O The Verge vai ter uma extensa cobertura do evento e por aqui, tentarei falar do mais importante ou do mais relevante que for apresentado até dia 10 de Janeiro em Las Vegas.

 

De destacar, o artigo do The Verge com uma retrospectiva fotografáfica do evento que começou a ser realizado em 1967 (o artigo original é de 2012). De resto, a fotografia que ilustra este post, foi tirada na edição de 1982, ano em que foi apresentado o CD, a camcorder pessoal e o Commodore 64.

Ano Novo

26.12.12
Ano novo

 

Agora sim, aproxima-se uma data que me diz um pouco mais. Falo do ano novo...e se correr como previsto...será nos anos 60 (não garanto o estilo).

 

Mas vou tentar...para começar, vou cumprir um sonho antigo e passar pela Fábrica dos Chapéus, no Bairro Alto.

 

Uma coisa está garantida...a música.

 

Com esta brincadeira, descobri o site Mr Porter. Aqui sim, há estilo e muita inspiração, onde destaco o artigo, com dicas inspiradas, naturalmente em Mad Men.