Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

iPhil

iPhil

Why We Ride

16.02.14
Why We Ride

 

A tarde de domingo foi dedicada aos documentários. "Why We Ride" é um documentário dedicado aos amantes e apaixonados pelas duas rodas e de que forma, isso tem influência na sua vida.

 

Depois do "The Armstrong Lie" passei rapidamente para o outro documentário que tinha pendente para ver, afinal é um formato de que gosto imenso. O "Why We Ride" é um documentário dedicado a todos aqueles que nutrem uma paixão pelas duas rodas.

 

Os que me acompanham sabem que já ando aí pela estrada, a treinar a minha entrada no universo das duas rodas. Por isso, este documentário surgiu numa altura crucial. Eu sou e sempre serei alguém que terá uma paixão pelas 4 rodas e pelos carros. A questão das duas rodas, surgiu por questões práticas do dia-a-dia em Lisboa, numa tentativa de obter uma qualidade de vida superior.

 

Fica por responder se ganharei a paixão pelas duas rodas. O feedback que recebo é mais ou menos unânime...assim que se experimenta é difícil não gostar. Os primeiros kms foram estranhos e apesar do receio, já lá vão 56kms feitos em Lisboa, por locais tão diferentes como o Parque das Nações, Avenidas Novas, Santa Apolónia, Graça ou Penha de França.

 

Para já, vou alimentando o culto através de documentários como o excelente "Why We Ride" ou os milhares de vídeos que encontramos no YouTube.

 


Link do Vídeo

The Armstrong Lie

16.02.14
The Armstrong Lie

 

Há cerca de um ano, em entrevista à Oprah, Lance Armstrong confessava o que já muitos assumiam como dado adquirido: Lance Armstrong tinha conseguido conquistar os 7 Tours de França dopado.

 

O documentário "The Armstrong Lie" começou a ser desenvolvido para documentar o regresso de Armstrong em 2009 ao Tour de França e logo na altura se colocava a questão: "Porquê?"

 

Mas os acontecimentos seguiram outro caminho. Lance Armstrong ficou em 3º no Tour de 2009 e foi a partir desse Tour que os holofotes se viraram em definitivo para o norte-americano e o próprio assume-me. Se não tivesse regressado, talvez a história fosse diferente...muito diferente.

 

Assim, o documentário, que tinha objectivo, retratar o regresso do campeão, passou a ser um documentário para explicar o início do fim do campeão e de que forma, foi apagado dos registos.

 

O documentário da autoria de Alex Gibney (que se viu, no meio de uma autêntica guerra, pelo facto de ter acesso exclusivo a Lance Armstrong em 2009), tenta traçar o perfil de Lance Armstrong e daqueles que colaboram com uma das maiores mentiras e decepções da história do desporto.

 


Link do Vídeo

Gravity

19.01.14
Gravity

 

Finalmente tive oportunidade de ver o "Gravity", um dos filmes de 2013. Os mais conservadores dirão que é um filme fraco, que não tem nada de especial, para além dos efeitos...mas eu acho que é muito mais do que isso.

 

Para quem é um entusiasta do Espaço e das missões espaciais, como eu, o filme é mais do que um filme...é uma experiência, porque "Gravity" será eventualmente o primeiro filme a replicar "quase" na perfeição, a sensação de um "passeio espacial", neste caso, onde tudo corre mal e o personagem principal vê-se obrigado, face às circunstâncias, a reflectir sobre a vida...sobre o passado e qual é a sua "missão" no presente e no futuro. Lutar para sobreviver? Porquê? Porque razão?

 

Esse é o lado mais filosófico do filme...que acaba por oferecer uma visita guiada, relativamente rigorosa, em termos científicos, pelo Hubble, pela Estação Espacial Internacional e ainda temos uma previsão do que seria a futura Estação Espacial Chinesa integrada no programa Tiangong. Para quem cresceu a ver o Space Shuttle a partir regularmente para a órbitra terrestre, soube muito bem ver o vaivém revisitado através do vaivém "Explorer" (que na realidade, não passa de uma réplica que está em exposição e agora se chama Independence).

 

Enquanto assistia ao filme, comecei rapidamente a visualizar o mesmo em IMAX e por causa da temporada de entrega de prémios, o "Gravity" está novamente em exibição no IMAX Colombo e achei que seria uma boa oportunidade para rever o filme, mas também confirmar o que o "Gravity" é realmente mais do que um filme...é uma experiência cinematográfica. O filme estará em exibição até 22 de Janeiro. Infelizmente, temo que não terei oportunidade de passar por lá, para o confirmar.

 

Claro que não podia faltar o trailer oficial...

 


Link do Vídeo

 

E um extra... que não me parece que seja um spoiler...a dada altura, a astronauta Ryan Stone (Sandra Bullock) intercepta uma comunicação rádio com a Terra...no filme, assistimos ao diálogo do ponto de vista da astronauta...mas há uma curta que mostra Aningaaq, a pessoa que fala com Ryan.

 


Link do Vídeo

 

E há muito mais para descobrir...o que é real e não é real...cientificamente falando...e se há alguma coisa para além daquele final...mas isso deixo à vossa consideração...depois de verem o filme e pesquisarem um pouco na web.

Clássicos do Cinema

21.10.13
Clássicos do Cinema


Talvez pela passagem recente que fiz pela Cinemateca de Lisboa, devo ter despertado o bichinho do Cinema e dos Clássicos do cinema que tenho por ver. Sempre gostei de cinema, mas deixei para trás alguns clássicos, como o Padrinho, a Laranja Mecânica, Casablanca ou Citizen Kane.

 

Sim, é verdade...surpreendam-se. Tenho muitos clássicos que nunca vi. Uns porque nunca me deu para isso. Outros por desinteresse. Outros porque se calhar era demasiado novo para me interessar por eles. Hoje, as coisas são um bocadinho diferentes. Ter visto na semana passada o "This Land is mine", terá ajudado a despertar o bichinho. Já tinha filmes como o Casablanca ou Citizen Kane preparados para a sua visualização. Mas havia muitos mais para ver.

 

Na tal visita à Cinemateca (que recomendo vivamente), reparei no destaque ao ciclo dedicado ao realizador Fritz Lang, onde se destaca Metropolis (que está disponível para visualização no YouTube). Uma obra de ficção científica produzido em 1927. Parte da obra perdeu-se para sempre, mas a combinação de um restauro de 2001 e uma versão encontrada em Buenos Aires, permitiu recuperar grande parte do filme alemão. Devo dizer que gostei imenso e grande parte da história, está perfeitamente actual.

 

 

Para além do Metropolis, também tive oportunidade de ver durante o fim de semana, uma das obras primas de Alfred Hitchcock - Vertigo. Tive oportunidade de ver o filme biográfico sobre Hitchcock, com Anthony Hopkins, mas nunca tinha visto qualquer obra de Hitchcock. Recordo-me de ver em miúdo algumas coisas e quão brilhante era aquele senhor barrigudo que aparecia na televisão, sempre a preto e branco.

 

E não é que fiquei absolutamente convencido com o resultado final e muito curioso com a restante obra de Hitchcock.

 

 

Por mero acaso e por causa das pesquisas que fiz nos últimos dias, encontrei alguns links interessantes, que merecem a vossa melhor atenção.

 

O primeiro exemplo já era mais ou menos conhecido. "Open Culture" é um repositório online de conteúdo gratuito. Para além de livros, audiobooks, cursos, etc, é possível encontrar uma lista de...isso mesmo...filmes, sendo que, grande parte dos links, apontam para o YouTube (em alternativa ao archive.org ou o próprio Open Culture).

 

Ou seja, é possível encontrar um interessante espólio cinematográfico no YouTube, completamente gratuito e legal. Um dos links que recomendo é do user: Audiovisuachannel.

 

Neste utilizador, é possível encontrar alguns dos mais antigos clássicos do cinema, devidamente organizados por categorias. Entre eles, encontramos o "Nosferatu" de 1922, outro título que conheço desde que me conheço, mas nunca tive oportunidade de ver.

 

 

Como podem verificar...quando vos faltar cinema de qualidade, já sabem onde podem encontrar cinema de qualidade ou simplesmente de culto.

A Gaiola Dourada

26.08.13
A Gaiola Dourada


Sabemos que as salas de cinema, começam a sentir o sinal dos tempos. Mas um certo filme francês, com comédia "a la portugaise" tem-se apresentado com salas cheias e a fazer um esmagador sucesso. É "A Gaiola Dourada", o filme de estreia do jovem luso-francês Ruben Alves.

 

Musicalmente colorido pelo sempre fabuloso Rodrigo Leão, esta comédia, descontraída, bem filmada e com uma belíssima fotografia, é uma espécie de fusão de "Amélie", com Woody Allen e comédia clássica portuguesa, onde os clichés verdadeiramente tugas, são captados de forma brilhante.

 

O elenco português vai muito bem, especialmente Rita Blanco, que se apresenta de forma brilhante o papel de Maria Ribeiro, uma porteira de Paris e apesar de estar integrada no quotidiano parisiense, em casa regressa a Portugal, onde imperam os detalhes. De resto, estejam atentos aos pormenores dos cenários... os quadros, os cromos, as revistas, o que surge na televisão, os toques de telemóvel, os pratos que são cozinhados, os restaurantes, os bares...tudo é uma verdadeira homenagem à portugalidade em Paris.

 

Aliás, o filme é uma homenagem aos pais do realizador Ruben Alves, também ele, como referi no início, um luso-francês. E no elenco, é possível encontrar mais luso-franceses, especiamente aquele que é talvez, o meu personagem favorito, o cunhado Carlos desempenhado por Jean-Pierre Martins.

 

Portanto, assim que tiverem oportunidade...regressem ao cinema e deixem de ver "A Gaiola Dourada" ou no seu título original "La Cage Dorée".

 


Link do Vídeo

Eat Pray Love

10.06.13
Eat Pray Love

 

Não me recordo como, mas já tinha o "Eat Pray Love" para ver. Quis o destino que uma simples e profunda conversa, tocasse no filme e no livro em que é baseado. Era o clique que precisava para ver o filme.

 

Veremos se não será o clique para algo mais. A semana que acabou, ainda que uma excepção, provou que há esperança para algo melhor.

 


Link do Vídeo

 

E para além do filme, se ficaram curiosos com a autora do livro, Elizabeth Gilbert, podem acrescentar ao filme, a visualização desta TED Talk com a própria autora, sobre o processo criativo e os medos de quem tenta ser criativo.

 


Link do Vídeo

 

Superbowl

04.02.13
Superbowl

 

Ontem foi dia de Superbowl, o dia da grande final de Futebol Americano. Para muitos é só uma final de um desporto que não acompanham...para outros, só interessa o "Halftime Show" e ainda para outros interessa o impacto que o evento tem.

 

No meu caso, acho tudo conta. Gostava de acompanhar mais o futebol americano, mas não deixo de acompanhar o impacto que o evento tem no mercado publicitário, no cinema, através dos trailers e do Social Media, que ontem, tornou-se fundamental, por causa da quebra de energia, no 3º Quarter de jogo.

 

E de facto, ontem, o momento do evento, foi mesmo a quebra de energia...foram mais de 30 mins absolutamente frustrantes...mas teriam assim tão frustrantes?? A ver pela minha timeline de ontem, não me pareceu nada e na realidade recordes foram batidos, naquela que se tornou a plataforma ideal para estes modelos: o Twitter.

 

Chegados ao intervalo, já o recorde do ano passado de tweets já tinha sido ultrapassado, mas quais foram os picos de tweets?

 

- Quebra de energia: 231.500 tweets por minuto (TPM)


- Touchdown dos Ravens pelo Jones que percorreu 108 jardas (novo recorde): 185.000 TPM


- Final do jogo. Os Ravens ganham: 183.000 TPM


- Jones faz uma recepção de um lançamento de 56 jardas para touchdown (final do 2º quarter): 168.000 TPM


Gore fazz touchdown para os 49ers: 131.000 TPM


Portanto, estes números provam que o momento alto foi mesmo a quebra de luz e que isso podia tornar-se um pesadelo para os anunciantes. Ora, o que o Twitter ontem provou é que pode ser precisamente o contrário. Marcas como a Audi (9.000 retweets), Oreo (14.000 retweets) e Tide (1.250 retweets), provaram que aquele momento seria o ideal para promover a sua marca. No caso da Audi, acabou por ser ainda mais irónico, porque o evento decorreu no "Mercedes-Benz Superdome".

 

Mas ainda existe outra vertente do Superbowl...os intervalos. Ao contrário do que se pensa, não existe apenas um grande intervalo (onde pelo meio, temos um mini concerto de 15mins), mas existem vários intervalos, cujas slots, custam muitos milhões de dólares. Entre esses anúncios, estão alguns dos principais trailers dos filmes que marcam a primeira metade de 2013.

 

 

Obviamente, depois temos os anúncios propriamente ditos. Podem ver os melhores spots, no FilmSpot.

 

Mas um Superbowl não é um Superbowl, sem o "Halftime Show" e este ano, o show contou com a presença de Beyonce e das Destinys Child. E sim, foi espectacular...uma verdadeira diva.



Ainda acham que o Superbowl é um evento que deve ser ignorado??

The Hobbit - Faltam 5 dias...

08.12.12
The Hobbit: An Unexpected Journey

 

Faltam apenas 5 dias para a estreia em Portugal do primeiro filme da nova triologia de Peter Jackson. "The Hobbit: An Unexpected Journey" é o título do primeiro filme e vão pipocando os habituais especiais sobre a estreia.

 

Deixo-vos com um desses especiais de 15 minutos, que nos dá a ideia do que vamos encontrar, neste regresso à Middle Earth.

 


Link do Vídeo

Faltam 8 dias...

04.12.12
The Hobbit

 

Faltam 8 dias, para a estreia em Portugal do primeiro episódio da próxima triologia de Peter Jackson - The Hobbit. O plano inicial passava apenas por lançar dois filmes, mas na fase final de produção do primeiro filme, que agora vai estrear, decidiu-se avançar para uma nova triologia.

 

As críticas não tardaram, mas o trabalho feito por Peter Jackson e toda a produção que o acompanha, com a triologia do "The Lord of the Rings", permite-me olhar para a nova triologia de forma extremamente positiva e acredito que grande parte da mitologia tolkiana que será incluída nesta nova triologia possa agradar a todos...fãs dos livros e não só.

 

E agora, vocês já sabem...o habitual trailer...

 


Link do Vídeo