Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

iPhil

iPhil

Qual discussão?

11.09.14
Qual discussão?

 

Mais um ano, mais uma apresentação da Apple. Isso significa que entramos na temporada da clubite geek.


Na passada terça-feira, a Apple apresentou os novos iPhones 6 e 6 Plus, a nova plataforma de pagamentos Apple Pay e o tão esperado Apple Watch. Logo após o evento terminal, os trolls saíram debaixo das pedras e começou a circular logo uma imagem que tenta colocar o iPhone 6, 4 anos atrasado em comparação com o Nexus 4, lançado em 2012.

 

iPhone 6 vs Nexus 4

 

Eu diria que estamos perante uma Não-Discussão ou simplesmente uma discussão que não faz qualquer sentido. Será como discutir a compra do automóvel da marca X em vez da marca Y.

 

Para já, é preciso não esquecer a origem do Android e o que está na sua génese e a recuperação que foi feita durante 3/4 anos. E atenção, essa recuperação aconteceu e é mais do que merecia e o Android tornou-se numa plataforma muito interessante. Eu vou mais longe e diria que a existência da plataforma Android, poderá ter criado no Google, uma nova mentalidade, centrada no design, na usabilidade e user interface. Mas repito... é preciso não esquecer a sua origem. Para que não esteja a perceber... eu ajudo: Janeiro 2007 - iPhone original.

 

Outra coisa que também é preciso não esquecer: O Utilizador Real. O utilizador real, o utilizador comum não vai comprar NENHUM... repito... NENHUM dos equipamentos que são colocados nestas discussões iOS vs Android. O utilizador comum, compra o equipamento mais barato que encontrar, com o tarifário mais barato que encontrar e a existência de acesso à Internet não é sequer um requisito. Agora expliquem-me e fico genuinamente à espera disso, como é que o perfil que descrevi se enquadra com equipamentos como o iPhone, o Nexus 4 ou 5, os Samsung Galaxy S ou os LG/HTC topo de gama?

 

E atenção... é preciso não esquecer a existência da plataforma Windows Phone, com os Lumia que tão boa impressão têm causado e os preços praticados são próximos do limite que o utilizador comum está disposto a oferecer.

 

Também é preciso fazer um enquadramente com o ecossistema de cada plataforma. Isso é relevante para o utilizador? Terá peso? É um utilizador Mac e não dispensa o ecossistema oferecido pela empresa californiana? Ou até é utilizador Mac, mas dispensa o ecossistema e é fã da plataforma Android? Os perfis são infinitos.

 

O que conta são as necessidades do utilizador. É isso que importa. Uma das perguntas que me fazem com maior frequência é: "O que me recomendas?"

 

Muitos ficam impressionados, porque conhecendo as minhas preferências (sim, irei seguramente comprar o novo iPhone. Restará saber quando e qual?), eu acabo por recomendar tudo e mais alguma coisa, menos produtos Apple. E para ser sincero, para o utilizador comum, habitualmente dou duas sugestões... para os utilizadores que preferem Android, o Moto G da Motorola (desbloqueado) e para os que preferem Windows Phone, os Lumia de gama média (530, 620 ou 625).

 

Voltando ao comparativo iPhone 6 vs Nexus 4, um dos factores que me apontaram foi a diferença de preço. É verdade. Mas falamos de um equipamento que custará sempre mais do que 300€ e pelas conversas que tenho com amigos e colegas, a barreira psicológica para um equipamento caro, são os 200€. Um custo médio fica-se ali pelos 150€ e aceitam perfeitamente o valor até 100€ para um smartphone de gama baixa (sem ser low cost).

 

Evocando novamente o exemplo do Moto G, estamos a falar de um equipamento que ronda os 180€, desbloqueado e comprado em Portugal. Recordo que é um equipamento com um ecrã e com dimensões muito próximas do iPhone 6.

 

Também é preciso não esquecer que estes equipamentos não têm Touch ID, a câmara (para quem dá importância a esse factor) não é habitualmente grande coisa e tal como no iPhone, mesmo em ambiente Android, é preciso ir para equipamento de gama mais alta, para se aproximar da mesma qualidade.

 

Voltamos ao início do post... Há realmente motivo para discutir alguma coisa, quando a escolha se centra no utilizador e nas suas necessidades?

 

Termino o post, com um resumo do que me pareceu a apresentação da Apple da passada terça-feira.

 

Com o nível dos leaks que assistimos era difícil ser surpreendido pelos novos iPhones. De qualquer forma, não há dúvidas que comprarei o novo iPhone 6. Resta no entanto, confirmar quando o farei, uma vez que desta vez, vou evitar a compra através dos operadores, como vou tentar adiar o mais possível, para conseguir fugir aos primeiros stocks.

 

iPhone 6

 

A outra dúvida: 4.7 ou 5.5? Pessoalmente, acho que o iPhone 6 Plus é absolutamente gigante. Mas a qualidade do ecrã e a câmara deixam-me na dúvida. Antes de comprar, quero comprovar ao vivo, qual é o modelo que melhor se adapta. Eu arrisco dizer que é o iPhone 6. Até pela diferença de preço.

 

Outra coisa que estou entusiasmo em ter com o novo iPhone é o Touch ID. Ainda sou utilizador do iPhone 5 e sendo um utilizador do 1Password e considerando a apresentação do novo sistema de pagamentos da Apple - Apple Pay - não tenho dúvidas que será algo que vou utilizar como se não houvesse amanhã. Estou cansado de tanta password.

 

Finalmente o relógio, o Apple Watch. Tenho apenas uma palavra para descrever a apresentação: Meh.

 

Não fiquei muito impressionado com a experiência a FuelBand, que acabou por se estragar ao fim de 1 ano e pouco de utilização diária. A consequência foi voltar aos relógios analógios (e que relógios, senhores! Que relógios!). Sabendo que muito será feito no iPhone propriamente e que este anda sempre connosco e considerando que o Apple Watch depende de um iPhone, que sentido faz gastar mais do que 300€? Mais uma vez, depende do utilizador e das suas necessidades.

 

Pena tive que não houvesse qualquer anúncio sobre o novo OS X Yosemite. Digamos que tenho aqui pendente um projecto de férias para mudar o disco do iMac para SSD.

5 comentários

Comentar post